Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / Posts / Este livro é espírita?

Este livro é espírita?

Como saber se um livro é espírita? Saber se as informações, lições, histórias estão de acordo com a doutrina dos espíritos (a doutrina dos imortais :-).

Espiritismo, a palavra

Antes de chegar ao assunto principal desde post, precisamos definir a palavra espiritismo para não tropeçarmos no meio do caminho.

A palavra espiritismo foi criada por Hippolyte Léon Denizard Rivail, ou Allan Kardec como é conhecido, o codificador do Espiritismo.

Kardec criou a palavra para designar a nova e única doutrina que estava surgindo, o próprio Espiritismo. Seguindo essa lógica, chegamos a conclusão que a palavra espiritismo deve ser usada apenas para referenciar assuntos do Espiritismo.

O que ocorre muitas vezes é que outras doutrinas, pessoas, instituições ou qualquer outra coisa pega a palavra espiritismo "emprestada" para formar um novo significado, diferente daquele criado por Kardec.

Apesar desses usos tortusos, é sempre bom usar a palavra espiritismo apenas para assuntos relacionados a doutrica revelada por Kardec.

Mas e o livro, é espírita ou não?

Cama menino(a)! Esta pergunta não é tão simples. Algumas obras são de fácil resposta, como os livros do Chico Xavier, mas outros precisam de uma análise, pesquisa para chegar a uma conclusão.

O que eu faço: leio, leio com a mente aberta a novas ideias, leio muito. A quantidade de informação me da uma base na qual posso refletir melhor. Quando encontro algo totalmente novo, tento procurar alguma referência em um dos livros que sei que são espíritas, a codificação por exemplo (Livro dos Espíritos, Livro dos Médiuns, etc.).

Se não encontro nenhuma referência a esse novo assunto, guardo essa informação em uma gaveta da minha mente intitulada: "nem verdade, nem mentira".

Com o passar do tempo, com novas leituras, novas conversas, novo jeito de pensar, vou sempre analisando - tudo isso intuitivamente, é claro - minha gaveta da "nem verdade, nem mentira" para saber se tem algum assunto ali que pode ser descartado ou se pode virar um assunto espírita.

E o que normalmente acontece? Acontece que leio em um livro um novo assunto. Passado alguns meses leio o mesmo assunto em outro livro - aí o assunto começa a tender a virar espírita. Passa mais tempo, converso com pessoas que me falam o mesmo assunto com a mesma lógica e a mesma conclusão - agora o assunto não é tão novo e é quase espírita. Assim vai até que minha mente se da por satisfeita e intitula o assunto como espírita e consequentemente o livro que continha o assunto também.

A forma mais segura, acredito eu, de intitular um livro como espírita é conhecendo a fundo os livros da codificação. Dessa maneira, suas fundações de conhecimento sobre o Espiritismo propiciam altas edificações no seu saber individual.

Ações do documento

registrado em: ,
Passagens

"Tudo o que somos é resultado daquilo que pensamos."

Buda

:-:-:-:-:-:

 

"Se toda imperfeição é fonte de sofrimento, o Espírito deve sofrer não somente pelo mal que fez como pelo bem que deixou de fazer na vida terrestre."

Allan Kardec

 

:-:-:-:-:-:

 

"Tenhamos em mente que não somos o que os  outros pensam e, muitas vezes, nem mesmo o que pensamos ser. Mas somos, verdadeiramente, o que sentimos. Aliás, os sentimentos revelam nosso desempenho no passado, nossa atuação no presente e  nossa potencialidade no futuro."

Hammed